top of page
  • Foto do escritorMarcelo Vedolin

Conservadorismo e Mercado Financeiro: "inimigos" de Lula.

A semana que se encerra trouxe à tona uma realidade inescapável para o governo federal: a fragilidade nas relações com o Congresso Nacional.


Em um cenário onde a minoria governista se vê impotente frente às votações, especialmente em pautas morais e sociais, as dificuldades se tornam cada vez mais evidentes.

O maior inimigo do governo é ele mesmo (2013).

Eles dizem que já sabiam...


O governo já previa algumas das derrotas na recente sessão do Congresso que analisou vetos presidenciais, tanto do atual presidente Lula (PT) quanto do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).


No entanto, a magnitude dos reveses e as traições dentro da base aliada acenderam um sinal de alerta no Palácio do Planalto.


A avaliação interna aponta para a necessidade urgente de uma mudança radical na estratégia de articulação política, especialmente diante de um Legislativo que se mostra conservador e resistente a certas propostas do Executivo.


Os interlocutores próximos ao presidente Lula reconhecem que a administração atual enfrenta um desafio distinto em comparação aos seus primeiros mandatos, de 2003 a 2010.


As pautas de costume, que incluem questões sociais e ideológicas, não são facilmente resolvidas com emendas ou acordos tradicionais.


A recente derrubada do veto presidencial à saidinha de presos e à taxação de compras internacionais ilustra bem essa dificuldade.


Em um ano eleitoral, como 2024, essas questões se tornam ainda mais polarizadas e difíceis de manejar.


Membros do governo reconhecem que a maioria parlamentar não é apenas de oposição, mas também conservadora.


Esse cenário explica parte das traições dentro da base aliada, que respondem a um eleitorado resistente a certas pautas progressistas do governo.


As derrotas nas votações, como a manutenção do veto de Bolsonaro à criminalização das fake news e as mudanças na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para impedir financiamento de ações como cirurgias de mudança de sexo para crianças, são emblemáticas dessa resistência conservadora.


Na "ponta da caneta":

O governo já espera que algumas dessas questões, como a saidinha de presos, sejam judicializadas no Supremo Tribunal Federal (STF).


A articulação política falha, marcada por críticas ao ministro Alexandre Padilha (Relações Institucionais) e aos líderes José Guimarães (PT-CE) na Câmara e Randolfe Rodrigues (sem partido-AP) no Senado, revela a complexidade do cenário atual.


Setores do PT defendem uma postura mais radical, argumentando que Lula poderia mobilizar sua popularidade para influenciar a base dos deputados.


No entanto, aliados mais pragmáticos alertam que essa radicalização poderia aumentar o isolamento do governo.


Insegurança Jurídica: O pior inimigo do Brasil.

Enquanto isso, no mercado financeiro:


O panorama político conturbado no Brasil gera um ambiente de insegurança jurídica que afeta diretamente a economia.

As constantes mudanças nas regras e a falta de estabilidade nas decisões governamentais criam um clima de incerteza para investidores.


Essa insegurança jurídica não só impede o crescimento econômico, mas também desestimula investimentos a longo prazo.


Empresas e investidores buscam ambientes onde suas previsões e planejamentos possam ser realizados com um grau razoável de certeza.

No Brasil, a volatilidade das decisões políticas e jurídicas cria barreiras significativas para esse tipo de planejamento.


A falta de uma articulação política eficaz, aliada à instabilidade legislativa e jurídica, coloca o Brasil em uma posição desfavorável no cenário internacional.


Para reverter essa situação, é imperativo que o governo trabalhe na construção de um ambiente mais estável e previsível, promovendo reformas que possam garantir segurança jurídica e, consequentemente, atrair e manter investimentos essenciais para o desenvolvimento econômico do país.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page