top of page
  • Foto do escritorMarcelo Vedolin

Não estava no Mapa do governo

O Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) divulgou, nesta segunda-feira (13), as Portarias que aprovam o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) para a cultura da soja, referente ao ano-safra 2024/2025, abrangendo uma extensa lista de estados brasileiros.


O ZARC é uma ferramenta fundamental no arsenal do produtor rural, permitindo a identificação das melhores épocas de plantio, levando em consideração fatores como região, tipo de solo e características específicas da cultura em questão.


No caso da soja, esse zoneamento define áreas e períodos de semestre, com a intenção de simular probabilidades de perdas de rendimento decorrentes de eventos meteorológicos adversos, contribuindo para a expansão das áreas cultiváveis, a redução de perdas e a estabilidade da produção.


A soja fora do Mapa do governo é indispensável para a área econômica.

É importante ressaltar que, embora o ZARC seja voltado para o plantio de sequeiro, as atividades irrigadas não estão restritas aos períodos indicados nas Portarias para o sequeiro.


Nesses casos, os produtores devem atender às recomendações específicas do ZARC para a cultura irrigada ou buscar orientação junto à Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) de seus estados, levando em consideração as condições locais de cada agroecossistema.


Além disso, no contexto da prevenção e controle da ferrugem asiática, é necessária a observância das determinações relacionadas ao vazio sanitário e ao cronograma de planejamento previsto pela Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa.


Os agricultores que seguem as recomendações do ZARC estão sujeitos a menos riscos climáticos e podem ser beneficiários de programas governamentais como o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR).


Vale ressaltar que muitos agentes financeiros condicionam a liberação de crédito rural ao cultivo em áreas zoneadas, evidenciando a importância e o reconhecimento dessa ferramenta como parte integrante da gestão de riscos na agricultura brasileira.



O Mapa da soja no Brasil: Mapa publica Zoneamento Agrícola de Risco Climático da Soja para safra 2024/2025.

Mas e lá no meu rancho?


A suposta transparência entre a liberação de crédito rural e a adesão às áreas zoneadas carece de evidências substanciais e pode ser vista com ceticismo.

Embora o discurso sugira uma abordagem pragmática na gestão de riscos agrícolas, a realidade nos bastidores financeiros pode ser mais complexa.


A ligação direta entre a conformidade com o zoneamento e a concessão de crédito parece simplista e potencialmente prejudicial para pequenos produtores que podem enfrentar barreiras adicionais ao acesso ao financiamento.


Tal narrativa também ignora nuances regionais e desafios socioeconômicos que influenciam as decisões de empréstimo das instituições financeiras.


Portanto, é prudente questionar se essa prática reflete verdadeiramente um reconhecimento eficaz da importância do zoneamento na gestão de riscos na agricultura brasileira ou se representa uma simplificação excessiva de questões complexas.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page