top of page
  • Foto do escritorMarcelo Vedolin

Pesadelo gaúcho

Rio Grande do Sul luta para se reerguer após perdas irreparáveis e catástrofe climática sem precedentes.


Após uma breve pausa nas chuvas torrenciais que assolaram o Rio Grande do Sul, as águas começam a recuar em alguns dos mais de 300 municípios afetados.

Este momento de recuo das águas inaugura uma fase de avaliação precoce dos danos causados por esta que é considerada a mais devastadora tragédia climática no estado e uma das piores no Brasil.


O impacto no setor agrícola é devastador, com praticamente todas as cadeias registrando prejuízos sem iguais.

A iniciativa privada, as igrejas, os sindicatos rurais, as associações de classe e incontáveis voluntários uniram esforços para socorrer vítimas humanas e animais, além de iniciar a difícil tarefa de avaliar o panorama pós-tragédia.


Pesadelo Gaúcho: O desolador cenário das inundações no Rio Grande do Sul.

Embora a extensão total dos danos ainda seja desafiadora de quantificar, o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) já lançou uma primeira análise das principais cadeias afetadas.

As inundações não apenas devastaram lavouras e rebanhos, mas também afetaram severamente a logística.


O centro divulgou projeções preocupantes para os setores agrícolas gaúchos mais impactados.


Arroz, o carro-chefe agrícola do estado, enfrenta uma considerável redução na produtividade devido ao atraso na colheita, já prejudicada pelas chuvas.

O abastecimento nacional deste importante cereal também está em risco, dada a interdição de estradas e dificuldades logísticas.


No caso da soja, segundo maior produto agrícola do Rio Grande do Sul, a situação não é menos grave. Com uma parcela significativa ainda por colher, as plantações estão submersas, comprometendo tanto a qualidade quanto a quantidade do produto.


O milho, que estava na reta final da colheita, também enfrenta paralisação devido às cheias.


O setor de aves, suínos e ovos relata danos em propriedades e dificuldades de abastecimento devido à interrupção das estradas e fornecimento de insumos.


Na pecuária de corte, o cenário é sombrio, com animais perdidos e dificuldades no transporte para os frigoríficos.


O mesmo drama se estende aos produtos hortifrutícolas, com destaque para a cenoura, cuja produção foi severamente impactada.


A recuperação destas áreas afetadas se avizinha como um desafio monumental, com previsão de significativa escassez e interrupção das negociações comerciais.

Enquanto isso, a sociedade gaúcha enfrenta uma das suas piores crises climáticas, com consequências que reverberarão por anos.


A Equipe Novo Agro expressa solidariedade aos produtores rurais e à população gaúcha diante das substanciais perdas de renda, patrimônio e, acima de tudo, vidas humanas.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page