top of page
  • Foto do escritorMarcelo Vedolin

Segurança Infantil: Facebook na mira da União Européia.

A Comissão Europeia anunciou nesta quinta-feira (16) o início de uma investigação detalhada sobre possíveis falhas dessas plataformas em proteger os jovens usuários.


A União Europeia está ampliando sua vigilância sobre as práticas de segurança infantil nas redes sociais, com um olhar atento especialmente voltado para o Facebook e Instagram.


A investigação surge após a Comissão encontrar indícios de que o Facebook e o Instagram podem estar violando a Lei de Serviços Digitais (DSA), particularmente no que diz respeito à proteção infantil.


Há relatos de que os algoritmos dessas plataformas podem estar incentivando comportamentos viciantes entre os jovens, levando ao fenômeno conhecido como "efeitos de buraco (ou toca) de coelho".

Facebook e Instagram terão que explicar algoritmo perigoso, segundo UE.

O "efeito toca de coelho" refere-se a um fenômeno nas plataformas digitais onde os algoritmos recomendam continuamente conteúdos relacionados, levando os usuários a mergulharem cada vez mais fundo em tópicos específicos.


Este efeito pode ser particularmente prejudicial para o público infantil, pois as crianças podem acabar expostas a conteúdos inadequados ou perigosos, como violência, desinformação ou material que promove comportamentos prejudiciais.


Além disso, esse ciclo de recomendações pode incentivar hábitos de uso excessivo e dependência das redes sociais, afetando negativamente o desenvolvimento psicológico e social das crianças.


META:

Em resposta às acusações, um porta-voz da Meta, empresa controladora do Facebook e Instagram, afirmou que a segurança infantil é uma prioridade.


Passamos uma década desenvolvendo mais de 50 ferramentas e políticas destinadas a proteger as crianças”, declarou.


A Meta também afirmou que possui sistemas de verificação de idade, embora a eficácia desses métodos tenha sido questionada pela Comissão Europeia.


As violações das normas da DSA podem resultar em multas significativas, chegando a até 6% do faturamento global anual das empresas infratoras.


Esta não é a primeira vez que a Meta enfrenta o escrutínio regulatório da UE.


A empresa também está sendo investigada por questões relacionadas à desinformação eleitoral, o que aumenta a pressão sobre a gigante da tecnologia às vésperas das eleições para o Parlamento Europeu.


Impacto Potencial da Investigação da UE:


Regulamentação mais rigorosa:

Este caso pode resultar em uma aplicação mais estrita das regras de segurança online, especialmente para a proteção infantil.


Pressão sobre outras empresas de tecnologia:

Com a Meta sob investigação, outras plataformas de redes sociais poderão revisar suas próprias políticas de segurança para evitar situações semelhantes.


Mudanças nas práticas de engajamento:

As empresas de redes sociais podem ser forçadas a modificar seus algoritmos de engajamento, especialmente em relação aos usuários mais jovens.


A evolução desta investigação está sendo acompanhada com grande expectativa por reguladores, empresas de tecnologia e usuários ao redor do mundo, ressaltando a crescente importância da regulamentação digital em uma era dominada pela informação online.


A atenção está voltada para as próximas ações da Comissão Europeia e como isso pode moldar o futuro das políticas de segurança nas redes sociais.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page